Lucro Real, Presumido ou Simples? Escolha o melhor Regime para 2021

Chegada do fim de ano é oportunidade de fazer uma revisão nos balanços e escolher o melhor regime de tributação para sua empresa.

Com a proximidade do fim do ano, contadores e advogados tributaristas debruçam-se sobre o balanço das empresas para determinar o melhor regime de tributação para 2021.

A tarefa exige elaboração de contas, simulações, um estudo de mercado e análises minuciosas, pois uma escolha equivocada faz com os empresários paguem impostos a mais do que o devido.

Além disso, uma vez feita a opção pela forma de recolher os tributos, não é permitido trocar de regime ao longo do ano.

As empresas, neste ano, deverão levar em consideração, principalmente, os reflexos da crise econômica em seus negócios, como possíveis mudanças da margem de lucro, aumento ou redução de despesas, do volume das importações ou exportações e a possibilidade de trabalhar com novos produtos com tributação diferente.

É necessário acompanhar essas alterações de perto e verificar a possibilidade de identificar o melhor momento para migrar de um modelo tributário para outro.

As alterações no Simples Nacional que entraram em vigor em 2018 também devem ser levadas em consideração para saber se a opção é vantajosa ou não para este regime tributário.

Dos três regimes tributários, o do lucro real é o único com sinal verde para todas as empresas, independente do ramo de atividade ou faturamento.

A opção pelo lucro presumido só pode ser feita pelas empresas com faturamento anual de até R$ 78 milhões.

Em geral, as empresas com margens de lucratividade muito altas tendem a escolher essa modalidade de tributação.

Já o Simples Nacional pode ser escolhido pelas empresas com faturamento anual até R$ 4,8 milhões (valor deste ano) e desde que a atividade esteja incluída na lista de permissão.

Não existe uma receita pronta para determinar a melhor escolha.

São muitas variáveis a serem avaliadas. O tamanho da folha de pagamento, por exemplo, tem peso importante nessa análise, que pode recair para a escolha do Simples Nacional, já que engloba parte do INSS que incide sobre a folha de pagamento.

Há outros pontos a serem considerados. Mais importante até que o tamanho da folha de salários, é o valor da receita bruta anual. Isso porque é o que define, em princípio, quais os regimes em que a empresa pode se enquadrar, uma vez que o único regime que aceita todas as empresas é o lucro real que, por sua vez, pode ser o mais oneroso.

Em segundo lugar é a atividade, pois existem atividades em que a opção pelo Simples é vedada.

Outra análise importante diz respeito à impossibilidade de as empresas tributadas pelo lucro presumido aproveitarem os créditos do PIS e da Cofins.

A escolha, portanto, deve ser realizada considerando a repercussão no IRPJ, na CSLL, no PIS e na Cofins.

Vale lembrar que tanto o lucro presumido como o Simples Nacional, calculam os tributos pela receita bruta, não levando em considerando o prejuízo da empresa ao longo do ano.

No lucro presumido, porém, menos tributos são calculados sobre a renda propriamente dita (IRPJ e CSLL). Desta forma, é possível que em um cenário de prejuízo, a empresa no lucro presumido venha a recolher menos tributos.

Ainda sob as nuvens da crise econômica, a escolha pelo lucro real também deve ser considerada no estudo.

 

 

QUANTO MAIS SIMPLES, MELHOR?

O principal erro é acreditar que quanto mais simples o regime, melhor. Muitos contadores, para não realizarem os controles necessários ao lucro real, acabam aconselhando a adoção do presumido e até mesmo o Simples. Nem sempre é o caminho mais adequado.

O regime do lucro real, invariavelmente fica em segundo plano na escolha devido à burocracia, controles necessários e custos com contadores, embora seja o único regime tributário que permita a compensação de prejuízos de anos anteriores.

Para optar pelo lucro real, a empresa deve ter uma escrituração contábil muito bem feita. Trata-se de um trabalho mais detalhado, específico e personalizado.

Se você quiser ter certeza de qual será o melhor regime a ser adotado para sua empresa, procure BACCHINI CONTABILIDADE para uma análise especifica e personalizada.

Você contará com a avaliação de consultores com conhecimentos específicos em cada área para esta avaliação (Contábil, Fiscal, Tributária, Trabalhista e Societária).

Entre em contato com a gente e agende uma reunião, teremos o prazer em te atender.

Tudo que você precisa saber antes de abrir uma empresa

Quase que todas as decisões importantes na vida requerem uma boa dose de planejamento. Mas se você está pensando em abrir uma empresa, fazer um planejamento antecipado (e muito bem feito) é vital para começar o seu negócio com o pé direito.

Muitos empresários de primeira viagem acreditam que basta ter uma boa ideia e trabalhar duro que o resto vem naturalmente como consequência. O problema é que as coisas nem sempre funcionam dessa forma e, ainda que você faça um bom planejamento, as coisas podem sair bem diferente do que o planejado.

É por este motivo que criamos este material – para lhe ajudar a organizar melhor as suas ideias de forma que você não se perca nessa desafiadora missão de abrir um novo negócio. Vamos lá?
Conheça os 5 principais motivos que levam os empreendedores ao fracasso (e, principalmente, evite-os)!!!

De acordo com a publicação da Exame, os principais motivos que levam os empreendedores ao fracasso são:

Não enxergar o longo prazo
Não ter controle financeiro
Perder o senso de realidade
Confundir CPF e CNPJ
Buscar o produto perfeito

É importante compreender os fatores listados acima para que você não seja mais a entrar para as estatísticas.
Conheça o seu produto e o seu nicho de mercado.

Conhecer bem o seu produto é um dos primeiros passos para quem deseja empreender. Depois, procure se diferenciar dentro de um nicho de mercado no qual você será um especialista. Dessa forma, você terá muito menos concorrentes e conseguirá agregar maior valor aos seus clientes.

Por exemplo, se você é programador e quer abrir uma empresa de desenvolvimento de softwares, é tentador prestar serviços de programação para pequenas, médias e grandes empresas e, além disso, para órgãos públicos, empresas estrangeiras e etc. O problema é que, neste caso, você ficaria inserido em um mercado cheio de concorrentes (mais estruturados do que você) e você teria pouco apelo comercial.

Procure fugir da vala comum especializando-se em nichos que lhe permitam agregar maior valor aos clientes. Por exemplo, se você criar uma empresa de desenvolvimento de softwares para empresas de pequeno e médio porte no segmento de engenharia, imagino que fique mais fácil para prospectar novos clientes e se diferenciar dos concorrentes.

Na medida em que você vai definindo o seu nicho de mercado, verifique continuamente se a sua oferta de produtos continua sendo relevante para o seu público. Pode ser que com o passar do tempo você verifique a possibilidade de ofertar novos produtos correlatos para aquele mesmo nicho.

Conhecer o seu produto e o seu nicho é primordial para o sucesso do seu empreendimento.
Escolha bem os seus sócios

Caso você decida ter outros sócios, é importante avaliar muito bem os reflexos no longo prazo. É importante que o perfil dos sócios contribua para unir forças e reduzir fraquezas, de forma a minimizar os riscos do empreendimento e maximizar as chances de sucesso. Avalie os seguintes aspectos:

Os sócios possuem perfis complementares?
Os sócios conhecem os pontos fortes e fracos uns dos outros?
Os objetivos profissionais de longo prazo dos sócios estão alinhados?
Os objetivos pessoais de longo prazo dos sócios estão alinhados?
Todos estão igualmente engajados no sucesso da empresa?
Quais sócios serão investidores?

Defina previamente o papel de cada sócio tomando por base as suas competências e dificuldades, definindo metas claras a serem atingidas, tanto individuais quanto coletivas.

Neste momento também deve ser discutido o percentual que cada sócio terá na sociedade, a forma de divisão dos lucros e, principalmente, os critérios de acerto de contas no caso de saída de sócio (Acordo de Cotistas). Neste momento, é importante deixar de lado questões emocionais e procurar ser o mais racional possível. Na nossa experiência, quando esse tipo de assunto é discutido quando um sócio está prestes a sair (ou já saiu) da sociedade, não é um tipo de conversa muito agradável.

Além disso, é importante definir a estrutura societária da empresa, que normalmente é uma Sociedade Limitada ou, dependendo da situação, uma Sociedade Anônima. Cada estrutura societária tem os seus prós e contras e, por este motivo, é importante obter um assessoramento adequado na escolha da estrutura jurídica.

Caso você decida por não ter sócios, recomendamos o formato jurídico de Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI).
Tenha as finanças da empresa nas mãos

Os primeiros anos de vida de uma empresa não são nada fáceis. De acordo com a última pesquisa realizada pelo SEBRAE, praticamente 1/4 das empresas não sobrevive aos primeiros 2 anos de atividade, sendo que as principais dificuldades relatadas pelos empresários foram:

Dificuldade de captação e retenção de clientes
Falta de capital
Falta de conhecimento na gestão do negócio
Dificuldade na obtenção de mão-de-obra
Elevada carga tributária

Veja que muitos dos itens estão relacionados às finanças da empresa. A dificuldade de captação de clientes leva à redução do faturamento, o que dificulta na contratação de mão-de-obra qualificada e no pagamento de tributos, gerando assim falta de capital de giro.

Ou seja, a falta de conhecimento na gestão do negócio provavelmente é a causa principal de todos os demais problemas relatados. O empreendedor que considerar todos esses fatores antes de abrir o negócio, terá mais chances de prosperar nesse competitivo ambiente de negócios.

Além disso, é importante contar com parceiros estratégicos que lhe ajudem a acompanhar a rentabilidade do negócio em tempo real bem como realizar um planejamento tributário para não acabar pagando mais imposto do que o necessário.

Outro dia um empresário (dono de petshop) nos procurou relatando que estava com prejuízo e que estava com dificuldade em pagar as contas. Ele não entendia como era possível ter prejuízo já que as margens de lucro eram relativamente altas. Depois de conversarmos alguns minutos com este empresário, entendemos que ele estava confundindo o fluxo de caixa da empresa com a rentabilidade do negócio. O petshop na verdade dava lucro, mas ele aplicava todo o lucro na compra de novos estoques, ficando com pouco caixa para pagar as contas do mês. Quando demonstramos que a empresa estava com lucro e o ajudamos a entender como gerenciar o fluxo de caixa, ele conseguiu estruturar melhor o negócio dele e crescer de forma sustentável.

Saiba diferenciar suas finanças das finanças da empresa

Este é outro erro que muitos empresários cometem e que pode ser muito prejudicial para o negócio. Quando você abre uma empresa, é importante mensurar o lucro dela de forma destacada dos sócios. A partir do momento que o sócio começa a pagar despesas pessoais pela conta da empresa e vice-versa, fica difícil apurar o lucro da empresa, dificultando na tomada de decisões importantes.

Por exemplo, se você utiliza o seu cartão de crédito pessoal para comprar estoque para a empresa, depois terá que usar o dinheiro da empresa pagar a conta do seu cartão. Se isso ocorrer, as finanças da empresa ficarão misturadas com as suas finanças pessoais.

Basta adotar uma regra simples. Despesas e receitas pessoais dos sócios devem ser pagas e recebidas pelas contas pessoais dos sócios. Despesas e receitas da empresa devem pagas e recebidas pelas contas da empresa. Mantendo esse simples controle, o seu parceiro contábil conseguirá lhe dar informações valiosas a respeito da saúde financeira do seu negócio.
Estruture o processo de captação de clientes

A maioria dos empresários inicia as atividades com poucos clientes na expectativa de que, com o passar do tempo, serão capazes de trazer novos clientes e viabilizar o crescimento da empresa. No entanto, muitas vezes a expectativa de capitação de novos clientes não se concretiza na prática.

O ideal é que você teste o seu processo de capitação de novos clientes durante o próprio processo de planejamento. Pense nos seguintes fatores:

Quem irá captar os novos clientes?
Quanto tempo será dedicado na captação de clientes?
Será necessário contratar um parceiro de marketing e vendas?
Qual o mínimo de vendas necessárias para manter o negócio de pé?
As pessoas dedicadas no processo de vendas conseguirão manter o mínimo de vendas necessárias?

O processo de precificação dos produtos também é de extrema importância. Durante esta etapa, converse com o seu parceiro contábil para incorporar o custo tributário e os demais custos do negócio (diretos e indiretos) no processo de precificação.

Lembre-se: a dificuldade de captação e retenção de clientes é o causa número 1 de mortalidade das empresas nos primeiros anos de vida.
Defina a sua estratégia de marketing

Essa é uma das etapas que acabam ficando em segundo plano em grande parte dos casos. Avalie os seguintes fatores:

Você já fez uma análise de mercado do segmento?
Você avaliou quais estratégias de marketing dão o maior retorno no seu ninho?
Você conhece os diferenciais competitivos dos seus concorrentes?
A sua empresa será capaz de se diferenciar no mercado frente à estratégia dos concorrentes?
Você já mapeou os seus diferenciais de forma clara e objetiva (vide o nosso exemplo)?
Você avaliou utilizar estratégias de marketing digital (mídias sociais, inbound marketing, links patrocinados, etc.)?

Não ofereça as mesmas soluções que o mercado já oferece – vá além, seja diferente, inove, preze sempre pela qualidade e pela melhoria continua da sua empresa!

A aí, já está se sentindo preparado para ter sucesso? Temos certeza que se você fizer a sua lição de casa você terá sucesso nos negócios.

Se ficou com alguma dúvida, venha conversar conosco que teremos o maior prazer em fazer parte dessa nova etapa da sua vida!

A ISO 9001 para escritórios de contabilidade?

O segmento contábil tem passado por enormes transformações nos últimos anos, principalmente em decorrência da modernização e automatização das atividades fiscais, contábeis e trabalhistas. Com isso, os profissionais contábeis estão cada vez menos focados em “atender o fisco” e cada vez mais em “agregar valor ao cliente”.

Nós, inclusive, já falamos em outros artigos sobre a importância do contador para a sua empresa e como contratar um bom escritório de contabilidade.

E o que a ISO 9001 tem a ver como tudo isso? Tudo… vejamos a seguir:
Primeiramente, o que é ISO 9001?

A ISO 9001 é uma norma internacional emitida pela International Organization for Standardization, uma organização não-governamental sediada na Suíça, que fornece diretrizes para controlar e melhorar continuamente os processos de uma organização.

Por ser uma norma internacional, ela está em permanente evolução, sendo debatida pelos maiores especialistas na área de administração de empresas e gestão da qualidade. Dessa forma, podemos dizer que quando uma empresa implanta a ISO 9001, ela está implantando as melhores práticas de gestão da atualidade, sendo adotada pelas empresas mais admiradas e renomadas do mundo.
E como se faz para obter a certificação ISO 9001?

Primeiramente, a empresa que pretende obter a certificação precisa implantar um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). Esse sistema compreende um conjunto de controles que garantem que os processos realizados pela empresa sejam planejados, executados e monitorados de forma a atingir a satisfação dos clientes.

Uma vez que o SGQ esteja implantado e rodando, a empresa solicita uma auditoria por um órgão certificador (ex: ABNT, SGS, etc.) que verifica se o sistema está implantado de forma eficaz. Em caso positivo, o auditor recomenda a empresa para obter a certificação ISO 9001. Após a certificação, a empresa é auditada todos os anos para garantir que os processos estejam sendo melhorados continuamente.
E quais as vantagens da ISO 9001?

Os escritórios de contabilidade possuem inúmeros processos e atividades, atendendo um grande número de clientes, cada um com uma necessidade específica. Além disso, os escritórios de contabilidade precisam transmitir ao governo diversas obrigações acessórias (ex: DCTF, Sped, Sefip, DEFIS, etc.), sob pena de pagamento de multas. Imagine o trabalho que dá para controlar todas essas atividades… é aí que entra a ISO 9001.

Em praticamente tudo na vida, se queremos atingir a excelência, precisamos de um método. O método é o que permite a padronização e a organização das nossas atividades. E já que vamos precisar de um método, por que não adotar padrões internacionais de qualidade?

Ou seja, a ISO 9001 é uma poderosa ferramenta que possibilita aos escritórios de contabilidade otimizar seus diversos processos, tendo por base as melhores práticas de mercado do mundo, com o intuito de atender aos clientes com excelência e de forma personalizada.
Isso quer dizer que as empresas com ISO 9001 são melhores do que as outras empresas?

Não necessariamente. Mas podemos dizer que, de maneira geral, os escritórios de contabilidade com ISO 9001 demonstram maior preocupação com a qualidade dos serviços prestados aos seus clientes.

Não é uma tarefa fácil obter a certificação ISO 9001 e, por isso, quem passa por todo esse processo certamente está preocupado em prestar o melhor serviço possível aos seus clientes. E não basta apenas querer prestar o melhor serviço, é necessário implementar controles que evidenciem a melhoria contínua dos processos e a satisfação dos clientes na prática.

Além disso, como estamos falando de uma metodologia internacional, a própria implantação da ISO 9001 carrega consigo um aprendizado muito grande para toda a equipe do escritório de contabilidade.

As empresas que não buscam este aprendizado, acabam tendo que criar um método de trabalho “por conta própria”, sem se beneficiar da valiosa expertise acumulada ao longo de décadas na ISO 9001 e que vem sendo aprimorada dia após dia.

Resumindo, se você está procurando por um escritório de contabilidade, procurar por empresas como, o BACCHINI CONTABILIDADE, certificada com a ISO 9001, aumentará drasticamente as suas chances de encontrar um bom escritório de contabilidade!

6 Passos para contratar um escritório de contabilidade

Quando você está procurando um produto para comprar, como, por exemplo, um “ar condicionado”, naturalmente você compara diversas marcas e modelos para descobrir qual é a melhor opção para você, correto?

Escolher um bom escritório de contabilidade é ainda mais complexo. A menos que você seja um especialista tributário ou profundo conhecedor das normas brasileiras de contabilidade, é difícil comparar diferentes prestadores de serviço cujo trabalho é eminentemente intelectual e que requer uma boa dose de confiança.

Antes de escolher o seu parceiro contábil, o ideal é que você procure entender como ele pode agregar valor ao seu negócio. O seu parceiro contábil deve te trazer facilidades e não te dar mais trabalho.

Nosso objetivo aqui é facilitar o seu processo de comparação entre diferentes escritórios de contabilidade para que você tome uma decisão de forma segura e consciente. Vamos lá?

EM PRIMEIRO LUGAR: ESTABELEÇA PRIORIDADES

Em todas as compras complexas, é importante primeiramente estabelecer uma ordem de prioridade em relação aos fatores que serão comparados. Apesar de esses fatores variarem de acordo com a necessidade de cada empresa, podemos resumir mais ou menos da seguinte forma:

Qualidade do atendimento
Velocidade do atendimento
Competência técnica da equipe
Método de trabalho
Tradição da empresa
Modernidade dos processos internos

1. QUALIDADE DO ATENDIMENTO

Esse talvez seja um dos fatores mais impactantes no atendimento ao cliente. Um atendimento de qualidade é, sem sombra de dúvidas, um dos principais diferenciais competitivos que um escritório de contabilidade pode desenvolver, já que o trabalho do dia-a-dia do contador é relativamente padronizado.

Mas como medir a qualidade do atendimento do escritório de contabilidade?

Na própria fase de obtenção de proposta, já é possível ter alguma impressão inicial em relação ao atendimento da empresa;
Verifique se as pessoas com quem você tem o contato inicial sabem ouvir e compreender as suas necessidades;
Verifique como a contabilidade acompanha o nível de qualidade no atendimento no dia-a-dia (ex: pesquisas de satisfação, departamento de qualidade, certificação ISO 9001, etc.);
Verifique se o escritório atende outras empresas com o mesmo nível de complexidade que a sua e, principalmente, há quanto tempo (as empresas que possuem um atendimento de qualidade normalmente cultivam relacionamentos de longo prazo);
Visite o escritório de contabilidade e observe a forma com que as pessoas se relacionam e trabalham.

A excelência no atendimento ao cliente é uma característica que deve permear todos os níveis de uma organização. Se você tiver oportunidade, converse com outras pessoas da equipe, desde a recepcionista até o diretor da empresa para sentir o nível de comprometimento da equipe com os clientes.

2. VELOCIDADE DO ATENDIMENTO

Este fator também é crítico para o sucesso no relacionamento entre o escritório de contabilidade e os clientes. Se você já precisou tirar alguma dúvida ou receber algum documento com urgência, você sabe como é importante ter um efetivo parceiro contábil ao invés de um mero prestador de serviços.

Como medir a velocidade do atendimento do escritório de contabilidade?

No contato inicial com a empresa, você já pode ter uma boa idéia da velocidade do atendimento;
Verifique se existe algum procedimento padrão na resposta às solicitações (por exemplo, dentro de 24 horas após a solicitação);
Verifique com quanto tempo de antecedência são enviadas as guias de recolhimento de impostos e, principalmente, como esse prazo é controlado e acompanhado no dia-a-dia;
Verifique a quantidade de clientes que o escritório atende em relação à quantidade de colaboradores (quanto maior a quantidade de clientes por colaborador, maior tende a ser a dispersão no atendimento).

A melhor forma de abordar este assunto é conversando de forma transparente. Com base nas respostas obtidas, será possível avaliar as ações do escritório para certificar que a velocidade não seja um problema no relacionamento com o cliente.

3. COMPETÊNCIA TÉCNICA DA EQUIPE

Esse é um dos fatores mais difíceis de ponderar e, talvez, um dos mais importantes no processo de escolha do escritório, já que o trabalho do contador é altamente técnico e sujeito a enormes variações.

Mas como medir a competência técnica da equipe?

Verifique o currículo dos sócios do escritório de contabilidade;
Verifique quais os serviços prestados pelo escritório além da contabilidade, fiscal e folha de pagamento (ex: as empresas que prestam serviços de consultoria tributária ou auditoria provavelmente possuem uma equipe técnica mais qualificada);
Verifique se o escritório atende empresas de alta complexidade (ex: empresas do lucro real, empresas estrangeiras, empresas auditadas, etc.);
Verifique se a empresa possui certificações relacionadas à qualidade dos serviços (ex: ISO 9001);
Verifique se a estrutura do escritório de contabilidade é robusta (os escritórios de contabilidade mais competentes normalmente crescem e desenvolvem uma robustez compatível com o nível de clientes que atendem).

No longo prazo, a competência técnica da equipe acaba sendo um fator decisivo para o sucesso da parceria contábil. Não basta que o escritório seja rápido e eficaz no atendimento – é necessário que a contabilidade lhe ajude a reduzir a carga tributária, mitigar as contingências fiscais e trabalhistas, adotar as melhores práticas de gestão… enfim, que lhe ajude a crescer!

4. MÉTODO DE TRABALHO

Esse é um fator que varia muito de escritório para escritório. O método de trabalho é muito particular e pode ser um fator decisivo na hora de escolher um bom escritório de contabilidade.

Verifique se o escritório realiza a contabilidade das empresas mensalmente;
Pode parecer óbvio, mas apenas uma pequena minoria dos escritórios realiza a contabilidade dos clientes mensalmente.

Manter a contabilidade sempre atualizada pode lhe ajudar a acompanhar de perto a rentabilidade do seu negócio, manter um controle orçamentário efetivo, identificar eventuais problemas, dentre outros;
Você sabia que para realizar retiradas de lucro no decorrer do ano, sem pagar impostos, é necessário atualizar a contabilidade mensalmente?

Disponibilizar documentos físicos para a contabilidade requer muita responsabilidade e confiança;
Por esse motivo, procure um contador que disponibilize um serviço de envio e retirada de documentos e, melhor ainda, sem custo extra para sua empresa.
Verifique se a contabilidade mantém um Sistema de Gestão da Qualidade;
Se para comprar um “ar condicionado” a qualidade do produto importa, imagine para fechar uma nova parceria com um escritório de contabilidade?
A gestão da qualidade de uma empresa não é um fator subjetivo – é altamente objetivo. É possível medir, controlar e aprimorar o Sistema de Gestão da Qualidade promovendo a melhoria contínua dos processos;
Verifique se a empresa é certificada por algum órgão competente (ex: ISO 9001) e se mantém uma equipe para fazer o controle de qualidade dos processos afim de assegurar um elevado padrão de qualidade.

5. TRADIÇÃO DA EMPRESA

Você que é empreendedor sabe como é difícil construir uma empresa de sucesso. E acreditamos que a construção de uma empresa nunca é feita por apenas uma única pessoa, mas sim por um conjunto de pessoas que entregam o seu melhor dia após dia.

E mais importante do que construir, é manter. E, por isso, acreditamos que um bom escritório de contabilidade deve possuir alicerces sólidos, com um grupo de gestores competentes, com uma equipe de profissionais treinados e alinhados com o propósito da empresa.

Enfim, a tradição é muito mais do que o número de anos de existência de uma empresa. A tradição é a história daquela empresa – tudo o que foi feito para que a empresa seja o que ela é hoje.

6. MODERNIDADE DOS PROCESSOS INTERNOS

Por fim, mas não menos importante, podemos dizer que a modernidade dos processos internos implantados pelo escritório de contabilidade é um dos fatores mais importantes para dizer se o escritório continuará existindo no futuro ou não.

Com todas as inovações tecnológicas que estamos vivenciando, é importante que os escritórios de contabilidade estejam à frente desse processo de modernização.

Ter uma contabilidade com processos automatizados pode te trazer inúmeros benefícios:

Maior rapidez no processamento de informações e geração de relatórios;
Menor margem de erro em processos manuais;
Menor burocracia e menor uso de papel;
Maior praticidade no envio de informações ao escritório;
Maior segurança e agilidade no recebimento de documentos.

Bom, temos convicção que seguindo os passos descritos acima, você terá os elementos necessários para tomar uma decisão segura e consciente.

Ficou com alguma dúvida? Venha conversar conosco e podemos te mostrar na prática Como Nós Trabalhamos!