Redução de custos na sua empresa

Reduzir custos nas organizações é primordial, principalmente em tempos de crise. Controlar as finanças não é uma tarefa simples, independente do segmento de atuação, seja prestador de serviços de resíduos industriais, contabilidade, entre diversos outros.

Em meio a pandemia da covid-19, as empresas vivem em incertezas e precisam driblar a crise econômica para se manter ativa e competitiva no mercado. Logo, é imprescindível realizar um planejamento para que haja a redução de custos e obter o melhor controle financeiro.

Sabemos que diminuir os gastos não é uma tarefa fácil, mas é importante que toda organização que visa o crescimento e lucro para o seu negócio, a redução de custos é indispensável.

Quer saber como diminuir os custos da sua empresa?
Vamos lá!

  1. Faça uma boa gestão financeira

É quase impossível falar em controlar gastos para reduzir os custos das organizações e não relacionar com a gestão financeira, não é mesmo?

É uma das etapas principais para que os objetivos sejam alcançados. Logo, a gestão das finanças pode contribuir para identificar a situação atual da empresa, a fim de obter o melhor gerenciamento.

Ou seja, uma empresa que aluga gerador de energia, a prática de gestão na organização tem a capacidade de entender as principais necessidades da organização, de modo a controlar melhor as finanças para proporcionar o uso correto do capital de giro, por exemplo.

  1. Realize a análise dos seus custos

Outra maneira de proporcionar a redução de custos na sua empresa, sem dúvida, é analisar o cenário de gastos da organização.

Se você atua com etiquetas personalizadas, é muito importante ter ciência do que ocorre em todo o seu empreendimento. Dito isso, acompanhar e analisar os custos constantemente, proporciona melhor controle e evita problemas financeiros do seu negócio.

Entender o quanto a organização gasta mensalmente, por exemplo, é essencial para um melhor planejamento.

  1. Treine sua equipe para proporcionar a redução de custos

Embora pareça não determinar os gastos do seu negócio, treinar a equipe é indispensável, afinal, qualquer erro cometido pode gerar situação de desperdícios e retrabalhos.

Por isso, o alinhamento com os integrantes da organização proporciona diminuir erros nos processos produtivos e diminuir os impactos nas finanças.

Além disso, oferece melhor condição de trabalho de modo a incentivar e motivar o colaborador a seguir os mesmo objetivos da empresa. A economia de água, energia elétrica e materiais, são necessários para diminuir gastos das instituições

  1. Invista na tecnologia

Você sabia que a tecnologia pode ser utilizada a favor do seu negócio? Pois bem! Utilizar softwares de gestão influencia na redução de custos de modo prático e eficaz.

O controle é realizado por meio de processo automatizado, garantindo números assertivos em relação à gestão de estoque, a fim de diminuir erros de contagem, perdas de produtos, entre outros.

Aliás, é uma excelente ferramenta para sua empresa, haja vista que permite integrar os dados da organização e auxiliar na tomada de decisão devido às informações e vincular com a contabilidade.

Agora que você já sabe como reduzir os custos, que tal colocar essas dicas em prática na sua empresa?

Esperamos que esse artigo tenha ajudado você. Conte sempre conosco!

Fonte: Contabeis

dicas para melhorar a gestão financeira da sua empresa

Muitos empreendedores enfrentam dificuldades para descobrir como fazer a gestão financeira da sua empresa, o que é muito preocupante, levando em conta a importância das finanças para o desenvolvimento de um negócio – somente com condições favoráveis é possível sobreviver e crescer no mercado.

São muito comuns os casos em que o empresário domina os conhecimentos específicos da sua atividade, mas não tem a expertise sobre os controles financeiros da empresa. Apesar de parecer uma tarefa complicada, com alguns cuidados básicos já é possível melhorar a gestão financeira da sua empresa e colocá-la no caminho do sucesso.

Preparamos algumas dicas para melhorar a gestão financeira da sua empresa

Conheça a estrutura da sua empresa

A primeira coisa que você deve fazer para melhorar a gestão financeira da sua empresa é buscar conhecer a fundo toda a estrutura do seu negócio. Quais são as atividades essenciais realizadas? Como funcionam os processos desde o pedido de compra de uma mercadoria até a sua venda para o cliente? Quais são as atividades de suporte a essa atividade?

Fazer esse mapeamento a respeito da estrutura da empresa será importante para que você consiga identificar onde estão localizadas as principais despesas e enxergar como o dinheiro que entra no caixa está sendo utilizado.

Registre tudo o que acontece

O registro de todas as movimentações realizadas pela sua empresa é fundamental para uma gestão financeira eficiente. Isso pode ser feito em um bloco de papel, uma planilha no Excel ou em um software específico: o importante, mesmo, é que você não deixe passar sequer uma operação sem registrar.

É com base nesses registros que você vai analisar a situação financeira do seu negócio e trabalhar na sua melhoria. Afinal, a falta de conhecimento sobre a origem e o destino do dinheiro é a principal causa da desorganização financeira. Como você conseguirá saber quanto lucrou ao longo de um mês sem saber quais foram as operações realizadas?

Vá em busca das principais despesas

Com base nos registros das operações realizadas, você poderá identificar quais são as principais despesas da sua empresa. Geralmente, os empreendedores possuem uma ideia equivocada até o momento em que visualizam a soma de cada uma das contas pagas ao longo de um período.

Controle entradas e saídas futuras

Não é somente o presente que é importante quando falamos sobre a gestão de uma empresa. Todas as movimentações agendadas para o futuro também impactam diretamente na saúde financeira. Portanto, controle todas as operações futuras e se prepare para elas – dessa forma, você não será surpreendido por um grande volume de despesas que podem acabar com as suas finanças daqui alguns meses.

Dê atenção a todas as áreas da empresa

É difícil adquirir uma visão sistêmica da sua empresa, mas com o tempo, você notará que todas as áreas estão interligadas e interferem nas finanças. Dê atenção a elas e mensure os impactos no caixa do seu negócio. Veja só alguns exemplos:

Estoques – O controle efetivo dos estoques pode diminuir os custos com armazenamento e proporcionar melhores condições de compra;
Gestão de pessoas – A gestão eficaz dos funcionários da sua empresa pode ser responsável pela previsibilidade nas despesas, redução de encargos trabalhistas e pelo aumento da produtividade de toda empresa.
Produtos – Saber o valor correto que deve ser cobrado em cada um dos seus produtos é tão importante quanto conhecer os custos deles. Afinal, é isso que gera o lucro do seu negócio.

Terceirizar a contabilidade ajuda na gestão financeira de uma empresa

Outra dica para tornar a gestão financeira de uma empresa mais eficiente é terceirizar a sua contabilidade. Essa é uma decisão muito benéfica por diversos aspectos. Veja só:

Redução de custos – A terceirização da contabilidade é uma alternativa que apresenta menos investimento do que manter um setor interno de contabilidade na sua empresa.
Cumprimento das obrigações legais – A contabilidade é uma obrigação legal para todas as empresas do Brasil, e a falha no cumprimento das exigências podem resultar em multas e juros – ou seja, mais custos ainda.
Ajuda na gestão do negócio – O contador é um profissional com experiência em todas as áreas da gestão de um negócio, podendo se tornar um poderoso aliado na gestão financeira de uma empresa.
Foco na sua atividade – Ao terceirizar a contabilidade, você terá tempo para focar na sua atividade-fim e promover o crescimento do negócio.

Esperamos que esse artigo tenha ajudado você. Conte sempre conosco!

Gestão financeira para startups

A gestão financeira para startups é um desafio, pois há grande imprevisibilidade nos resultados.

É comum que no início o caixa passe um bom tempo no vermelho, pois o foco é atrair investimentos e construir um negócio capaz de crescer rapidamente — e não aumentar gradualmente o faturamento, como em uma empresa comum.

Já durante a fase de validação, a curva dos gráficos de desempenho das startups se parece mais com um M do que um S, pois é marcada por altos e baixos bastante bruscos.

Outro fator importante é que quase sempre essas empresas dependem de fontes de fomento e investidores-anjo para cobrir seus custos operacionais nos primeiros meses, para além do capital próprio.

Logo, o empreendedor tem que estar preparado para a instabilidade e um controle ainda mais rigoroso das finanças, para não correr o risco de quebrar e interromper um negócio promissor.

De acordo com uma pesquisa realizada pela aceleradora Startup Farm, publicada em 2016 na Época Negócios, 74% das startups brasileiras fecham após cinco anos de existência.

Uma das razões é justamente a dificuldade para monetizar o negócio a tempo, devido ao alto volume de investimentos necessário.

Outro estudo, chamado Causas da Mortalidade das Startups Brasileiras, publicado em 2015 pela Fundação Dom Cabral, mostra que 70% das startups sobrevivem por cerca de 4 anos no Brasil.

Novamente, uma das razões para a falência precoce é a falta de capital para investir no negócio e atravessar a fase crítica.

Para evitar esse problema, as startups devem prestar atenção à gestão financeira desde o primeiro dia de operação, tomando as seguintes medidas:

Acompanhar de perto o fluxo de caixa (incluindo conciliação bancária)
Alinhar pagamentos e recebimentos
Definir um capital de giro suficiente para sustentar as operações
Monitorar o balanço patrimonial, balancetes e DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) mensalmente
Conduzir a gestão tributária (pagamento de impostos, planejamento e entrega de obrigações fiscais)
Contabilizar custos para precificar corretamente os produtos ou serviços
Monitorar KPIs financeiros como lucratividade, rentabilidade e faturamento.

Muitas vezes, essas práticas básicas são negligenciadas pelos empreendedores focados em inovação, que não querem perder tempo com tarefas burocráticas das finanças.

Porém, a saúde financeira é fundamental para qualquer startup que pretenda atrair investidores — lembrando que já estamos falando de um negócio de alto risco.

Para garantir sua credibilidade, a empresa deve provar sua capacidade de oferecer retorno sobre os investimentos e sustentar suas operações durante o crescimento.

A melhor forma de fazer isso é apresentando relatórios e projeções financeiras, que incluem o cálculo do capital necessário, validação do modelo de negócio e orçamentos em médio e longo prazo.

E, para que essas previsões estejam devidamente embasadas, a startup também precisa garantir uma gestão financeira data-driven (orientada por dados).

Afinal, uma empresa inovadora de alto crescimento não pode controlar suas finanças em planilhas e papéis, certo?

Com uma plataforma de gestão financeira e contábil como a Conta Azul, por exemplo, já é possível gerenciar todas as movimentações, emitir documentos e gerar relatórios 100 % online.

Assim, a startup pode partir de dados reais sobre sua performance para definir metas e acompanhar o progresso financeiro.

Para completar, a empresa deve estudar a fundo o mercado e identificar as tendências que podem afetar suas finanças.

Assim, a startup consegue estabelecer um plano financeiro e captar recursos para investir na construção de um negócio reprodutível e escalável.

Vale lembrar que a ajuda de um contador  pode fazer a diferença e trazer insights valiosos para a gestão.

 

Esperamos que esse artigo tenha ajudado você. Conte sempre conosco!

 

Fonte: Tributário