Como compensar os feriados em 2020

Há datas que favorecem o aumento do faturamento, como Carnaval,  Páscoa, Tiradentes,  Dia das Mães,  Dia das Crianças e  Natal.

Essas datas movimentam a economia e servem para compensar a perda com a paralisação das atividades em outros momentos.

Nesse sentido, vale a pena criar um planejamento que já contemple todas as ações que o seu comércio irá adotar para suportar os feriados que não favorecem as compras e elevar o faturamento naquelas datas comemorativas que empolgam os clientes.

Que tipo de promoção especial você fará no Dia das Mães? Como você pode divulgar melhor suas ações antes dessa data, para faturar mais no feriado?

Que tipo de ação vai adotar nas semanas que antecedem a Páscoa? Lembre-se: esse tipo de data comemorativa pode representar o faturamento de muitas semanas.

Até datas menos propensas a elevar as vendas, podem ser aproveitadas, desde que você organize um planejamento adequado. Para isso, basta entender que você não pode lutar contra o feriado e deve adaptar seu funcionamento para usá-lo a seu favor.

Promoções especiais, divulgações diferentes, ações com um público-alvo específico, horários diferenciados de atendimento e oferta de produtos diferenciados são alternativas que servem a esse propósito.

Vimos que, enquanto boa parte dos setores produtivos amargam perdas, outros comemoram a paralisação das atividades por conta dos feriados.

O setor de turismo é um caso interessante, que fatura mais nessas datas.

Outra possibilidade, essa mais concreta e aplicável desde já, é aproveitar as recentes mudanças nas leis trabalhistas.

De acordo com as novas disposições da CLT, trabalhadores e empresas podem negociar diretamente como poderão compensar os dias que não forem trabalhados. Se antes a regra era mais rígida e forçava as empresas a se sujeitar aos prejuízos causados pelos feriados, hoje existe a chance de uma negociação com os empregados.

Os trabalhadores também seriam beneficiados, uma vez que as perdas seriam evitadas na forma de substituição de folgas, por exemplo.

Em vez de folgar em um feriado, o trabalhador poderia trocar a licença para um dia que representasse menos perdas. Tudo dependerá da capacidade de empresas e funcionários negociarem para chegar à solução mais justa para ambos os lados.

Pequenas e médias empresas são as mais afetadas pela grande quantidade de feriados previstos para 2020.

Muitas não contam com margem que lhes permita deixar de funcionar por tantos dias, o que as obrigam a operar em feriados. Essa é uma decisão que deve ser tomada com bastante cuidado, uma vez que pode não compensar manter uma loja aberta. Além do movimento de clientes ser potencialmente menor, os custos não são reduzidos, o que pode ter como consequência saldo negativo no fluxo de caixa.

O ideal é fazer uma avaliação criteriosa do mercado, para decidir de que forma a loja pode compensar o fechamento em feriados. Além da negociação com os funcionários, lançar promoções, liquidações ou mesmo o oferecimento de brindes pode ajudar a atrair mais pessoas, compensando a falta de movimento.

Portanto, criatividade, aliada a planejamento, é a solução mais indicada para cobrir os custos dos dias parados e faz toda a diferença.

Esperamos que esse artigo tenha ajudado você. Conte sempre conosco!

Confusão Patrimonial: Saiba por que e como separar

Separação das contas de pessoa física da conta pessoa jurídica é uma importante regra das finanças empresariais. Muitos negócios fecham por não seguirem esta regra.

Sabemos o quanto é difícil gerir um negócio, e muitas vezes essa mistura não é observada e nem corrigida.
Em empresas em que isso ocorre, fica uma percepção que a empresa não gera lucro e que o sócio não ganha nada da empresa, mas que na maioria dos casos não é verdadeiro essa percepção.
Pode ocorrer efeitos ainda piores quando não se há um controle financeiro que indique essa situação, o que pode trazer riscos para a empresa (Problemas fiscais)
Não nos damos conta de que são as pequenas ações que geram enormes problemas. Sabe aquele boleto do financiamento do seu carro que você paga pela empresa? E aquele boleto da escola de seu filho? São exemplos de pequenas ações.
É cômodo e fácil pagar suas despesas pessoais pela empresa, por esse motivo é muito fácil se tornar um hábito, uma rotina. Com o tempo você não perceberá e isso levará para uma grande cilada.

Alguns problemas com essa mistura são:

Perda do controle financeiro
Pagando suas despesas você não terá mais o resultado real que sua empresa realmente está gerando, o que pode te dar uma falsa visão de que a empresa não tem lucros, desencadeando uma série de decisões equivocadas por conta dessa falsa visão de que o sócio não retira nada da empresa, quando na verdade há uma saída constante que não se percebe.

Sem visão de gastos
Com a perda do controle financeiro da empresa, a primeira ação do empresário será cortar gastos, mas com a confusão financeira, ele não terá visão para cortar os gastos supérfluos e ele possivelmente irá cortar gastos que poderiam ajudar a empresa a crescer mais, ou seja, gastos essenciais.

Sem planejamento de ambos os lados
Uma coisa é certa: você nunca irá planejar seus gastos pessoais, pois sempre irá recorrer ao caixa da empresa. Com isso a capacidade de planejamento financeiro seu e da empresa ficará comprometido. Você irá sangrar cada vez mais o caixa da empresa, dificultando compor um caixa para investimentos ou você irá sangrar tanto o caixa da empresa, que irá utilizar dinheiro mais caro através de empréstimos.

Poderá gerar problemas na Receita Federal
Dependendo do tamanho da confusão patrimonial, poderá chamar atenção da Receita Federal que possui várias formas de confrontar a informação. Com isso poderá ocorrer o arbitramento de tributos, que poderiam ser melhor planejados pelo Contador, reduzindo encargos. Para isso, é muito importante o registro correto da despesa. No arbitramento é sempre mais caro e com mais impacto para o empreendedor.

Descaracterização da empresa
Em uma situação extrema, caso tenha algum problema limitado ao Capital Social, caso fique provado que houve ingerência com a mistura das contas, a empresa poderá sofrer um processo de descaracterização da pessoa jurídica e atingir seus bens pessoais.

Algumas dicas
Agora chegou o momento de você mudar a história de sua empresa e dessa salada de frutas da mistura entre contas pessoais e da empresa. Abaixo algumas dicas:

Contas bancárias separadas
Tenha contas bancárias separadas, uma conta para empresa e outra diferente para o sócio.

Mude a titularidade das contas empresariais
É muito comum o sócio pagar as contas da empresa e por isso achar correto pagar as suas pela empresa. Elimine essa situação. Solicite um cartão de credito corporativo para pequenas despesas (estacionamentos, combustíveis para viagem, etc) e não ultilize nunca mais seu cartão pessoal.

Defina a retirada dos sócios
Defina uma forma organizada de pagar os sócios, determinando as datas do pró-labore e periodicidade dos lucros

Quando utilizar o caixa, classifique corretamente
Pode ocorrer que, em uma emergência ou em uma situação não prevista, você precise utilizar o caixa. Se isso acontecer você deve classificar essa conta como retirada de sócios. Isso permitirá ter visibilidade do que de fato é despesa da empresa e o que é retirada do sócio.

Conclusão
Gerir uma empresa é muito difícil e as vezes negligenciamos algumas boas práticas. Entre elas, a separação das contas da pessoa física da pessoa jurídica. Sem essa separação pode existir a percepção que a empresa não gera lucros e que o sócio não recebe rendimentos.
Além disso, vários problemas podem surgir e atrapalhar o crescimento da empresa. O ideal é que se defina entre os sócios os rendimentos que podem ser pró-labores, lucros ou alugueis.
Separar as contas também não é difícil. É preciso ter disciplina e criar contas bancárias separadas, mudar o nome das titularidades, definir um processo de pagamento de sócios e classificar corretamente despesas.

A cegueira financeira é a pior coisa que pode existir para o empreendedor. Isso prejudica os negócios e atrapalha a tomada de boas decisões. Não se esqueça de fazer o essencial controle fluxo de caixa e de sempre contar com um contador parceiro para o seu negócio.

Esperamos que esse artigo tenha ajudado você. Conte sempre conosco!